quarta-feira, 22 de julho de 2009

Tempos modernos, hábitos ancestrais



Todo mundo já teve sua fase de cientista louco, para alguns logo passa quando se dão conta que cientista louco não tem muito futuro nos dias de hoje. Para outros nunca passa, como é meu caso.

Como normalmente um fruto não cai muito longe dá árvore, a menos que o terreno seja muito inclinado, a Laura está começando a se interessar pelas ciências ocultas ao olho humano. Quer um microscópio de aniversário. Onde encontro um, quanto sai, os tempos não estão para estes gastos, não será mais uma inutilidade a empoeirar-se pelos cantos da casa?

Estamos fazendo um evento na Puc, . Como o congresso é de professores, pensei que em algum stand conseguiria informações sobre o dito microscópio. Entre os corredores com livros encontrei uma loja oferecendo equipamentos laboratoriais para escolas. Lá estavam lupas e microscópios de todos os calibres e para todos os bolsos . Quando fui me informar sobre os equipamentos com o atendente, qual foi minha surpresa ao me deparar com um cliente de longa data e que gosta muito das minhas cerâmicas. Estávamos conversando na semana passada sobre a possibilidade de fazer canecas artesanais com a marca dele para presentear seus clientes. Até aí não tinha a mínima ideia do que ele vendia. E isso que há dois dias Laura e eu fomos entregar uma encomenda em seu escritório.

Resultado: Vamos trocar lupas, microscópios, equipamento para passar imagens ao micro por canecas personalizadas. Nosso quarto de hóspedes além de abrigar a biblioteca, computador e piano vai ter também a mesa de cientista maluco.

Daqui a pouco vai faltar canto nesta sala.

5 comentários:

Neide Rigo disse...

Tô vendo que não vai mais sobrar lugar pra mim neste quarto de hóspedes. Que negócio bom, hem?
beijos,n

Marcos disse...

Oi, Rui
Estou me lembrando que foi mais ou menos nesta fase de idade da Laura que que fiz porque fiz e acabei por conseguir arrancar um microscópio de meus pais, confesso que o trabalho de convencimento não foi pequeno. Naquele tempo eu era um assíduo frequentador dos laboratórios de anatomia e do biotério da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Conhecia todos os técnicos, estudantes e vivia ganhando espécimes para explorar e fazer experimentos. Agora veja você no que deu esta história, o risco é grande! Portanto, cuidado, você pode estar criando um monstro no quarto ao lado!
Abraços e parabéns

falando sério disse...

bom pelo menos tu conseguiu trocar...heheehehhe

Rui Gassen disse...

?

Reinaldo Doniséti da Silva disse...

Ok rpeciso de informações sobre os torno ceramico